A criação deste Blogue, ideia de António Melo, tem como objectivo divulgar, defender o Sport Lisboa e Benfica e a sua Gloriosa história. Qualquer opinião aqui expressa vinculará apenas o seu autor, Alberto Miguéns.

SEMANADA: ÚLTIMOS 7 ARTIGOS

17/08/2017

Dinis Silva: o Tudo do Nada

17/08/2017 + 1 Comentários
1974/75: A GRANDE ESPERANÇA DO CICLISMO PORTUGUÊS APARECEU E DESAPARECEU (PARA SEMPRE) EM MENOS DE UM ANO. TINHA 19 ANOS.


Com forte aposta no plantel do Ciclismo, o Benfica subiu a parada para 1974. Se a equipa em 1973 era de grande qualidade (Fernando Mendes, Venceslau Fernandes, António Martins,  José Madeira, José Pacheco, Eusébio Pereira, Orlando Alexandre, Francisco Vieira e João Pinhal) o "Glorioso" reforçou-se com Joaquim Leite (trepador dispensado pelo FC Porto), Américo Silva (um regresso de França do vencedor da «Volta» pelo SLB em 1968) e o jovem de 18 anos Dinis Silva (do GC da Ambar, uma empresa portuense do sector da papelaria que publicitava no ciclismo). Objectivo para a Direcção presidida por Borges Coutinho. Vencer a «Volta» em 1974 depois de ingloriamente perdida em 1973.


Dinis Alves da Silva (23 de Outubro de 1955 - 6 de Março de 1975)
Nasceu em Gesteira, pequena localidade da freguesia de São João de Ver, no concelho de Santa Maria da Feira pertencente a esse distrito que tantos ciclistas tem dado a Portugal: Aveiro. Cedo começou a pedalar. Primeiro em clubes populares, depois no GC da Ambar que apostava nos jovens. Em 1973, aos 17 anos, aparece no topo das classificações, com o segundo lugar (em representação de uma selecção nacional) na Volta ao Estado de São Paulo no Brasil. Com tão tenra idade e tão grande capacidade passou a ser a maior esperança do ciclismo português para suceder (e superar) a geração nascida nos anos 40. O Benfica estava atento e entrou em contacto com ele. Logo os maiores clubes portugueses se intrometeram num processo complexo que foi desbloqueado a escassas horas do início da Volta a Portugal, na pista do estádio das Antas.


A Glória no topo de Portugal
Começou a 36.ª Volta a Portugal e pouco depois começa o "miúdo" a surpreender pois não cede um milímetro. Após a 17.ª etapa, os 201 quilómetros entre Castelo de Vide e a Guarda, Dinis Silva está em 6.º lugar, a um minuto e um segundo do líder da equipa (Fernando Mendes em 4.º lugar) e a 2:34 minutos da "camisola amarela". No dia seguinte - 15 de Agosto - duas etapas. Uma de manhã para aquecer (42 quilómetros entre a Guarda e Manteigas) e outra, à tarde, para desbaratar o pelotão (96 quilómetros entre Manteigas e a Torre). Esta decide-se a partir de Seia. O miúdo deixa os consagrados marcarem-se uns aos outros em pequenas escaramuças para ver quem não cede e quem está no "elástico". Dinis Silva com 18 anos parece o mais sensato. Vai controlando. Depois dá a "sapatada final". Que seja Neves de Sousa (enviado do jornal "Diário de Lisboa") a explicar e a dar-nos as classificações que eu só ouvi pela telefonia.




Um espectacular segundo lugar na competição mais importante do calendário velocipédico
Na chegada ao estádio José Alvalade, em 18 de Agosto (completam-se 43 anos na próxima sexta-feira), Dinis Silva foi confirmação. O segundo lugar foi dele por ainda ter pouca experiência a correr solitário contra o tempo. Perdeu a «Volta 1974» por 17 segundos para Fernando Mendes - seis anos mais velho - pois este ganhou-lhe um minuto no contra-relógio final. Só que ao contrário do que pensava, o tempo que rege o Mundo não corria a seu favor, aos 18 anos, corria contra ele.



A Morte levou-o muito precocemente
E de um modo acelerado como se competisse com ele na estrada. Se fosse em escalada... Galopante foi a doença. Um mês antes de morrer foi a um médico da cidade do Porto porque sentia-se com menos força que o habitual. Nada parecia ter. Aconselharam-no a ir a Lisboa para ser diagnosticado por um médico do Clube. Nada parecia ter, mas havia que ter segurança. Teria de fazer análise sanguínea. E assim foi. O resultado foi terrível. Teria vinte dias de vida. Leucemia aguda. Internado no hospital dos Capuchos, em Lisboa, a 22 de Fevereiro, três transfusões de sangue depois de nada serviram. Expirou na madrugada de 6 de Março de 1975. Só fazia 20 anos em Outubro! Irra! Como poucos sabiam do que se estava a passar a notícia varreu tudo e todos. Depois as palavras de circunstância. Nunca mais seria esquecido. Pois, pois...



Morreu aos 19 anos. Mas 43 anos depois de ter conquistado o topo de Portugal há Benfiquistas a recordá-lo. O "Manto Sagrado" dá a imortalidade a quem o honra!

Alberto Miguéns
Ler Mais ►

oiràrtnoC oA omsilciC

+ 3 Comentários
ASSIM NÃO. EM VEZ DE SEREM AS MARCAS A PAGAREM PARA OS CLUBES LHES FAZEREM PUBLICIDADE.



São os clubes - FC Porto e Sporting CP - que pagam a equipas de Ciclismo para estas lhes fazerem publicidade.

ASSIM SIM! AS «VIAGENS MERCURY» PATROCINAVAM A EQUIPA DE CICLISMO DO CLUBE SPORT LISBOA E BENFICA!


Orlando Alexandre

Só que este tempo já passou. Espero bem que o Benfica mantenha o Ciclismo bem longe do Clube. Até porque é a modalidade mais problemática pois exige esforço sobre-humano, por isso só com "suplementos" pode ser possível fazer escaladas a "sprintar"! As organizações que planeiam etapas durísssimas são coniventes pois sabem que são impossíveis de realizar com espectáculo desportivo sem «aditivos»!

Ai e tal...E a roda? No emblema!

Que se crie uma equipa de Cicloturismo. Com actividades diversificadas em vários pontos de Portugal! Chega!

Alberto Miguéns

NOTA (Para não misturar assuntos. Aliás era este que estava previsto para a meia-noite e teve que ser reprogramado): Está agora programado para o meio-dia de hoje uma homenagem/lembrança deste blogue ao malogrado Dinis Silva que faleceu, aos 19 anos, e parece que para o Benfica, Ciclismo e Desporto português nunca existiu. Existiu e diziam muitos dos especialistas em velocipedismo que ia ser o maior ciclista português de todos os tempos.
Nascido em 23 de Outubro de 1955, em São João de Ver (Santa Maria da Feira/Aveiro), venceu com o "Manto Sagrado" a etapa da Torre (em 15 de Agosto de 1974, há 43 anos) dando um "baile monumental" (há quem diga que foi a maior "trepadela" na história da "Volta") a todos os consagrados, deixando o "camisola amarela" a 2:38 minutos, os meus dois ídolos (Fernando Mendes e Venceslau Fernandes da sua equipa, nas "covas") e ganhando com...17 segundos de vantagem para o segundo (Joaquim Andrade do FC Porto) que ainda por cima recusou comparecer no controlo anti-doping...mesmo ficando em segundo, sujeitando-se a uma penalização de 15 minutos...no mínimo! O malogrado Dinis Silva tinha, nessa tarde de glória, 18 anos e dez meses. Menos de sete meses depois, em 6 de Março de 1975, aquele que venceu a maior serra de Portugal foi incapaz de derrotar uma leucemia. Não tombou na principal escalada do ciclismo português mas chegou uma cama de hospital para o derrubar! Se ainda fosse vivo teria 61 anos! Tombou muito cedo. No "Quarto Anel" há gente boa (como pessoas e/ou desportistas) de todas as idades. Este blogue nunca os esquecerá nem deixa que desapareçam da Memória. Porque da História constarão sempre! Logo ao início da tarde a homenagem possível a um «Ás Que Nos Honrou o Passado»!


Ler Mais ►
16/08/2017

Dar Um Novo Significado

16/08/2017 + 0 Comentários
À FRASE: ENTRAR PELO BURACO DA AGULHA.


É que não havia alternativa nem tempo para ter tempo!

Alberto Miguéns
Ler Mais ►
Em Defesa do Benfica no seu E-mail